segunda-feira, 25 de maio de 2009

Depois

Edu querido, mi amor de treinador, que confia mais em mim do que eu, e pelo visto me conhece melhor também

Com Lisi, Dani e Val, adoráveis companheiras de equipe

Estou moída, mas feliz. Consegui correr uma bela maratona ontem, e meu desempenho não foi melhor porque não treinei tanto quanto deveria e porque minha mente me perturbou um bocado antes da corrida e durante. A questão agora é resolver essas duas coisas.
Para treinar direito preciso dar mais uma ajustada na minha rotina, mas o principal é ajustar a mente, definir uma paisagem mental and stick to it. Para isso, tenho que decidir como afinal eu quero treinar e correr. Se quero pegar pesado, treinar forte pra obter resultados melhores, ou se quero correr só como distração.
Acho que correr só de brincadeira não é pra mim por enquanto. Tenho uma tendência natural a me dedicar às coisas, não gosto de meia-boca. Não teria prazer correndo de qualquer jeito. Mas também não tenho prazer me exigindo demais. Está faltando o caminho do meio, ou seja, manter o prazer e a qualidade. Correr direito, mas sem esquecer que isso é pra ser uma diversão. A corrida é algo para se encaixar dentro do meu dia, não para esculhambar minha rotina e empurrar e espremer o horário de trabalho e demais atividades.
E tenho que dar jeito de controlar minha mente durante a corrida. Na maratona larguei bem, estava calma e confiante (depois de muito medo na véspera). Fiquei numa boa por 10km, curtindo a corrida. Quando comecei a cansar, a paisagem começou a mudar. E da metade até o fim da prova não pensei em quase nada que prestasse, affffff... Pensei seriamente em parar aos 21km e aos 23km, logo depois do Edu falar comigo e dizer que o ritmo estava ótimo. E fui pensando nisso e noutras impropriedades all the way.
Um dos principais motivos para não ter parado foi simplesmente porque não haveria como justificar isso - para os outros! O que eu ia dizer pro Edu? - Que eu tinha cansado? Que tinha perdido a vontade? - E pra Lízia, que eu sabia que iria me esperar na linha de chegada? E pra todos meus amigos e conhecidos? Enfim, um motivo importante pra não desistir foi vergonha.
Ainda bem que minha mente conseguiu ao menos nutrir essa paisagem de preocupação social. Porque na hora não me ocorreu, mas muito pior seria depois eu tentar justificar a mim mesma por que desisti. O que eu ia dizer pra mim? Que cansei? Certo. E alguma vez pensei em correr 42,195km sem cansar??? Que perdi a vontade? Certo. E por que perdi a vontade? Porque ficou difícil, cansativo e monótono. Ok. E então? Vou desistir das coisas sempre que se tornarem difíceis, cansativas e monótonas? Terei problemas não só pra correr e treinar, mas para trabalhar, educar a filha, cuidar da mãe, cuidar dos gatos, dos bonsai...
Na corrida posso ver nitidamente a natureza do samsara, onde todas as experiências sempre trazem em si mesmas as sementes de sofrimento. No samsara nada é sempre bom ou ruim, a natureza de tudo é a dualidade. Meu samsara na maratona teve ondas bem definidas de impermanência: começou bom, depois ficou mais ou menos, ruim, bem ruim, e então começou a melhorar de novo e ficou bem bom na última curva antes da chegada, quando vi Lízia e muitos amigos, conhecidos e estranhos me recebendo com grande alegria e me empurrando na reta final.
Em cada treino acontece a mesma coisa, sempre tem momentos bons e ruins. A questão é apenas como olhar para isso. Se me apegar ao ruim, vou sofrer mais e desistir. Se conseguir me apegar ao bom, vou passar pelo ruim com mais leveza.
Mas meu objetivo é não me apegar a nenhum dos dois. Apenas fluir por ambos, observando as flutuações. Chegar ao centro de estabilidade, onde não há movimento. Ainda não sei como é essa experiência. Assim, de momento estou feliz por ter ido até o final. Estou feliz por mim e feliz porque meus amigos ficaram felizes por mim. :)