domingo, 23 de maio de 2010

Faz-me rir, Juvenal

Se você acha que uma pessoa não tem o perfil que você procura, se você conclui que ela não é o que você achava que fosse, não é mais fácil simplesmente fazer a fila andar do que ficar pontificando: "Sabe qual é o seu problema? Blá-blá-blá...", e dizendo que os problemas que VOCÊ vê são dela?
Essa mania de cobrar do outro, de querer que o outro mude para satisfazer expectativas pessoais é um porre. Especialmente porque costuma vir acompanhada de autoindulgência e intransigência. Afinal, os meus defeitos não são assim tãããão graves (isso quando eu tenho algum defeito, é claro...) e, como eu os reconheço, tá ótimo, não preciso mudar, quem tem que mudar é o outro. O outro tem que mudar. O outro tem que entender meu ponto de vista e concordar com ele e reconhecer que ele é que faz tudo errado. O outro tem que ser outra... pessoa.
Quando se sabe tão bem o que se quer, quando se tem exigências muito específicas de perfil, me parece bem mais lógico ir atrás de alguém que preencha os requisitos do que tentar socar à força um ser defeituoso dentro desse perfil.
Se bem que é claro que pode ser um pouco difícil encontrar a pessoa perfeita, hahaha!