quinta-feira, 23 de junho de 2011

What a difference a day makes

Dia 22. Meu aniversário em dezembro.
Neste ano, a maratona em maio.
E ontem a largada para uma nova etapa de vida.

O 22 de junho começou com a grande boa notícia pós-maratona. Fiz um tilt-test com resultado positivo para "síncope vasovagal do tipo misto". Significa que estou sujeita a quedas muito acentuadas de pressão arterial e frequência cardíaca, o que pode me levar a desmaios, como ocorreu no fim de maio. Não tem cura, nem tratamento. Mas também não é grave. :)))

À tarde, fiz uma megalimpeza nas roupas de minha filha. Separamos muitas dezenas de peças, que já repassei para quem poderá aproveitá-las. Foi uma enorme liberação de espaço físico e energético. Na véspera havia feito o mesmo com os sapatos dela.

No final da tarde, recebi duas orientações preciosas.
1 - Estou no momento de fechar um ciclo e começar outro. Para isso, basta sair da zona de (des)conforto atual. Não terei sequer que correr riscos, porque estou amparada por forças do bem. Terei lucidez para fazer movimentos benéficos em todos os aspectos de minha vida.
2 - Mereço coisa melhor. E terei. Basta desapegar do velho e me abrir para receber o novo. Tudo virá para melhor.

O dia de hoje foi preenchido com essas certezas. E me senti inundada de paz e luz. Sabedoria e compaixão.
O corpo reage em sintonia. Foi um dia de muitos suspiros. A cada expiração prolongada, a sensação de afrouxamento da couraça do diafragma. Relaxamento. Aumento do espaço interno, com uma inalação maior de ar a cada inspiração.

Para encerrar o feriado de hoje, um telefonema para concretizar uma mudança importante em termos práticos. Demorou, mas agora já é.


PS em 24 de junho: O universo sempre provê tudo de que precisamos. Depois das orientações recebidas na quarta, eis que nessa sexta deparo com esse texto no Facebook:

El autoestima es el medidor que permite conocer cuanto nos amamos y valoramos a nosotros mismos. Existen personas que dicen poseer una buena autoestima pero que están en trabajos que no les gustan, en relaciones poco satisfactorias, junto a amistades poco favorables, con adicciones o vicios destructivos, llenas de miedo e inseguridades en sus vidas.
Cuando de verdad hay una buena autoestima la persona sabe que siempre puede elegir lo mejor y que merece en todo momento y situación lo mejor, aprende a soltar aquello que ya no le es más útil en su vida, reconoce cuando debe hacer cambios, toma decisiones que le beneficie a si mismo y a los que le rodean, sabe cuando debe evitar el contacto con aquellos que considera influencia negativa y sobretodo se trata a sí mismo con amor y compasión, tomando en cuenta sus propias necesidades.

Amarse a si mismo significa que se reconoce el propio valor y que por ende se puede salir del drama sea cual sea para vivir en armonía y paz. Reconoce que mientras te sientas bien contigo mismo y satisfecho con tu vida te será más fácil poder transmitir ese bienestar a los que te rodean y contribuir con la construcción de relaciones basadas en el amor y podrás también ayudar a otros de una manera positiva. Ámate a ti primero y el amor fluirá en tu vida.