quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Não deu

Lelo teve que ficar na clínica de novo.
A uretra estava obstruída outra vez, com muitos coágulos.
Tristeza imensa por não poder fazer mais por meu amado gatinho. Torcendo para que se recupere e possa voltar para casa amanhã.
No final da tarde, enquanto aguardava notícias, vi por acaso um texto que fala sobre as atividades dos gatos como guardiães espirituais. Meu leãozinho de jardim com certeza sempre me guardou. E eu a ele. Estamos juntos. E juntos vamos ficar.


A doença do Lelo afetou Ludovico. Meu gatinho mais independente ficou transtornado com a ausência de Lelo por nove dias. Miava e estava invulgarmente agitado. E, quando Lelo voltou, Ludox teve a reação de praxe: estranhou muito. E ficou arredio. Não chega perto de Lelo, está esquivo comigo e com Lízia também.
Agora, enquanto escrevo, ele está dormindo numa cadeira em frente à minha. Está se reaproximando.

Ciclos.
Turbulências.
Impermanência.
Que meu lar possa entrar em novo ciclo de harmonia.