domingo, 13 de abril de 2008

Capivara corredora

Gente mal-humorada passa trabalho.
Acordei às 6h pra participar da meia-maratona. Ainda estava escuro. E em seguida começou a chover. E não parou mais. Filó e MM vieram me buscar. Quando chegamos no Gasômetro, chovia que deus mandava. Pensei seriamente em não largar, porque não ando com vontade de esfalfar o corpo de luxo - e muito menos cair... Mas enfim, já estava lá e tal... Aqueci mal e porcamente e... showtime.
Até que estava numa boa, conformada com a situação, quando, uns dois quilômetros depois, desabou um pé d'água daqueles, com um vento contra de foder. Tenho horror de correr no vento, e fiquei totalmente de má vontade. Pensei em parar. Resolvi ir até o km 5 pelo menos. Quando o vento amainou, fiquei na boa.
E então, no km 7, tivemos que atravessar um trecho de uns 100m de água barrenta na altura dos tornozelos. Maravilha. Não dava pra ver o chão, e eu com os joelhos com feridas abertas, e aquela água suja respingando neles. Bem, bem, foi barbada perto do que nos aguardava no km 10: uns 50m de água suja, certamente chuva misturada a esgoto, na metade da panturrilha. Dava para sentir o mau cheiro. Dessa vez os joelhos afundaram naquele caldo, para minha total consternação.
Fiz toda a primeira metade como uma capivara, ruminando o mau humor. Claro que o rendimento baixou, porque eu não estava afim da indiada. Mas fiz a volta e abandonei de vez as idéias de parar e decidi fazer o melhor que desse. Mais água suja nos joelhos, mas eu já estava preparada.
Voltei na boa, terminei a prova inteira. Não sei se conseguiria fazer um tempo melhor, mas certamente teria me sentido melhor se não largasse de mau humor e má vontade. Mais do que o corpo, preciso treinar minha cabeça pra maratona. Sem chance correr 42km com espírito de porco pouco esportivo.

A meia-maratona deste domingo foi minha primeira corrida na categoria feminino 45-49 anos.
Comecei bem. Fiquei em primeiro lugar. Mas isso não será rotina. Bah, vou ter que me puxar. Ou não. Porque quero mesmo é me divertir correndo. Bem, bem, mas eu me divirto forçando meus limites, arregaçando, ir numa corrida pra fazer corpo mole ou dar de mulherzinha certamente não me distrai, e estimula o humor de capivara, afff... Sei lá, tenho que pensar mais sobre isso, encontrar o caminho do meio.

Essa foto foi feita por André Nery, que estava trabalhando na meia-maratona. Vi ele embaixo de um guarda-sol, com água batendo por tudo que era lado, e concluí que eu prefiro correr na chuva do que ficar parada.
Ele e o pessoal da organização e do apoio estavam lá trabalhando, enquanto a folgada aqui foi porque quis, teoricamente pra se divertir testando seus limites. Aí fica de mau humor. Que cara de pau.
Mas hoje voltei a meu bom humor habitual, e já estou achando tudo muito engraçado.