quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Melhor assim

Não falar o que se sente e pensa por temer reações negativas é uma covardia abjeta. Fui muito covarde e medrosa por muitos anos - e isso não me ajudou em nada, as coisas que eu queria jamais aconteceram quando me calei e me submeti. Hoje sei que, se tivesse tido coragem há anos, as coisas teriam sido diferentes para melhor. Talvez não fossem do jeito que eu queria, provavelmente jamais seriam porque havia um erro estrutural, mas é certo que eu não teria passado pelo que passei depois. (Aqui tem o velho lance de sempre, de achar que "melhor" é aquilo que queremos, só aquilo, a ideia fixa teimosa, a visão estreita, que impede que se veja miríades de possibilidades "melhores", as incontáveis paisagens possíveis.)
Agora eu estava seguindo pelo mesmo caminho, de não falar para evitar desgastes e brigas. No passado, quando me cansei do que me incomodava, meti os pés pelas mãos. Dessa vez me saí muito melhor. A forma como falei talvez não tenha sido a mais adequada, mas não falei esperando alguma mudança, não esperava sequer concordância. Não queria impor o meu ponto de vista, queria apenas me expressar.
Achei que causaria um desconforto, imaginei que pudesse enfrentar uma reação forte, mas não esperava nada tão explosivo. The hell broke loose, mas isso não me causa dor, nem ansiedade. Muito menos revolta. Não me ofendo, não me irrito e não me preocupo. Enfim, parece que estou aprendendo a me posicionar melhor: vivo a minha realidade e a manifesto sem tentar empurrá-la para os outros. Não estou disputando poder, só deixo claro como eu vejo e o que sinto, não me escondo atrás do silêncio covarde.
As paisagens podem se estilhaçar em milhares de pedaços. Eu permaneço inteira.