sábado, 22 de julho de 2017

Sobre desrespeito e indiferença

Durante muitos, muitos anos, fiz as unhas todas as semanas religiosamente.
Nas três últimas semanas não fiz. E não senti falta. Nem vontade de fazer.
Mais uma mudança. Mais uma novidade em termos de atitude e posicionamento.
Ao longo dessa mais de uma década de manicure semanal, frequentei o mesmo salão nos últimos quatro anos. Era a cliente mais antiga. E tinha um horário semanal fixo. Se o horário é fixo, supõe-se que não seja necessário confirmar. Não estava sendo o caso. Toda semana antes de ir embora eu conferia se o horário estava agendado para a semana seguinte - porque às vezes não estava.
Há três semanas, cheguei lá e a manicure estava atendendo outra pessoa. E eu havia confirmado o horário fixo (só que não, né?) na segunda-feira daquela semana.
Fui embora pra não voltar mais.
Pior do que a falha, a desorganização e a ineficiência foram o desrespeito e a indiferença. Claro que eu poderia ter relevado mais essa pisada na bola do estabelecimento. Afinal, é só manicure, poderia remarcar, blá, blá, blá.
Mas não.
Não porque respeito é bom e todo mundo gosta. Conserva os dentes e os relacionamentos. Todos os relacionamentos - familiares, amorosos, sociais, profissionais, comerciais.
Desrespeito e indiferença são duas coisas que bani da minha vida - no atacado e no varejo -, junto com alguns hábitos insalubres.
Afinal,