segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Os prazeres de cada um

É tudo uma questão de disposição.
Eu ADORO correr, adoro fazer exercícios, me movimentar.
Ontem participei de uma maratona de revezamento, fiz meia-maratona. Acordei às 5h30, levantei às 6h, às 6h40 estava saindo. Fiquei no local da prova até as 13h, curtindo o astral do evento e a companhia dos amigos.
Às 23h estava caindo dura na cama.
Quando não tem competição, domingo é dia do longão, uma corrida de no mínimo 20km.
Agora estou começando a pedalar. E a alegria que andar de bike me proporciona é enorme.
Faço essas coisas por prazer. Organizo minha vida para ter tempo para isso. E abro mão de todo o resto numa ótima.
Minha dieta desprovida de carne vermelha há 25 anos, e com um raro consumo de álcool, açúcar, gordura, frituras e porcarias também me dá prazer. Um de meus pratos favoritos é massa com ricota. E agrião e rúcula são para mim o que batata frita e chocolate são para outros.
Para algumas pessoas, minha vida e minha dieta parecem um autoflagelo. Tem gente que me olha com pena, como se eu levasse uma vida de sacrifício.
Para mim, sacrifício é ir em lugar cheio e enfumaçado, com o povo detonando. Sair de casa na hora em que costumo ir pra cama e passar a noite acordada me parece um castigo. Ficar sentada em mesa de bar bebendo me entedia até os ossos. Essas atividades me cansam, drenam minha energia.
Não que eu nunca faça essas coisas. Às vezes faço. Mas aí me sinto como as pessoas dizem que se sentiriam se fizessem as coisas que eu costumo fazer.