quinta-feira, 5 de março de 2009

Fluidez

Quando a temperatura começa a ficar boa, aqueles que tanto queriam a chapa quente arrepiam. Querem uma coisa com a qual não sabem lidar. Precisariam de um manual de instruções. Afff. Quanto amadorismo. Jogam a toalha no aquecimento. Assim não há espírito empreendedor que resista.
Mas estou numa fase de bom humor inabalável. E cordialidade. Receptiva às abordagens mais incomuns para o meu padrão refratário. Curiosidade, interesse por tudo. Quero ver qual é. E realmente gosto de tudo e todos, quero bem. E tenho a genuína motivação de ser causa de felicidade. Isso me torna dócil e generosa. E paciente, hahaha! (Mas tudo isso precisa de muito aperfeiçoamento ainda...)
No fim das contas, a experiência de qualquer coisa está atrelada à mente do observador. Assim, por que me preocupar com as diferenças entre o que eu vejo e o que os outros vêem? É tudo como um sonho, e além disso está sempre se modificando. Não imponho minha visão a ninguém. Não aceito que os outros tentem me impor sua visão. Consigo aceitá-los e amá-los como são. E, hoje, apenas sorrio quando, depois de estarem mais próximos de mim, os outros passam a desejar que eu tenha características diferentes (quando não opostas) daquelas que os levaram a se aproximar inicialmente.