domingo, 18 de outubro de 2015

#9


 
Lelo bem melhor hoje. Graças à alimentação forçada.
Ele não estava comendo, estava casa vez mais fraco, o que aumentava a inapetência, que agravava a fraqueza. Depois de receber alimentação à força, ainda ontem à noite comeu uns pedacinhos de frango por si.
Dormiu melhor. Acordou muito mais disposto. Tanto que comeu frango e (quase nada de) ração. Mas forcei igual. E isso está fazendo a diferença.
É um trabalhão. Cansa. Frustra. Às vezes irrita. Mas ver o resultado eleva a motivação.
 
Motivação é a PALAVRA. (Hahaha, a caixa alta foi por engano, mas veio muito a calhar.)
 
Ontem fui correr. Sem a menor vontade. Fui porque já não tinha ido na quinta e na sexta.
Não sabia bem o que fazer. Teria 1h20 de longo. Mas o treino de pista de quinta estava pendente. E é impossível voltar a correr mais rápido sem fazer pista.
Fiz 10km. Precisei ir ao banheiro. Estava na Redenção. Decidi que faria o treino de pista da quinta-feira, 3 séries de 4 x 400m. Fiz 2x 6x 400m.
Comecei muito lenta. Pesadona. Azar, pensei. Vou fazer devagar, mas fazer tudo. No terceiro tiro da segunda série, tive o insight. Eu estava me arrastando. Pensei: vou melhorar essa passada, está travada, arrastada, vou correr mais solta, mais altiva. Com uma postura e uma mentalidade mais dinâmicas. Pronto. Baixei dois segundos. No quarto tiro, baixei mais dois segundos. O quinto foi igual ao quarto, e o sexto e último foi o melhor de todos. E eu estava fechando 15km de corrida.
Fiz mais 5km de trote. Fechei 20km me sentindo muito bem.

Hoje rodei 10km. Comecei me arrastando - porque estou habituada a me arrastar. Aí percebi e, como ontem, resolvi me aprumar - física e mentalmente. Fiz a melhor rodagem dos últimos tempos. Muito mais rápida. E ao mesmo tempo muito mais leve.
Porque o peso não está exatamente no corpo. Está na mente.

E o peso mental que percebi ontem, na pista da Redenção, não estava apenas na corrida. Estava também nos cuidados do Lelo. Claro que dar Buscopan de seringa a cada 8h é um saco, especialmente porque isso ele odeia (com toda razão, o gosto é terrível). E tem a homeopatia 3x por dia. E agora ainda tem que dar comida e água com seringa.
Ontem à noite pensei em não fazer nada disso e me atirar na cama. Estava exausta. Mas Lelo talvez tenha que fazer outra cirurgia. A situação é delicada. Como não fazer a única coisa que resta a fazer?
Lá fui eu pra cozinha.
Piquei frango, tentei dar. Não quis. A ração especial também não. Forcei os pedacinhos, mas vi que aquilo iria levar uma eternidade.
Aí resolvi liquidificar a ração. Coloquei bastante água, que é essencial pra ele. Que lambança, afff. Mas deu certo. Botei na seringa e forcei. E ele aceitou bem melhor. Até comeu uns pedacinhos de frango depois.
Dei os remédios e finalmente fomos deitar.
No meio dessa empreitada, já quase em lágrimas de desespero, tive uma variação do mesmo insight durante o treino: estou me arrastando nessas atividades. Vou fazer com mais leveza, agilidade, dinamismo. Com mais vontade.
Foi mágico.
Dei a comida com a seringa, limpei toda a sujeirada, dei o Buscopan e a homeopatia sem sofrer com o cansaço, o stress, a preocupação, a incerteza.
Hoje de manhã e no almoço repeti tudo já com essa leveza. Com vontade. Boa vontade.
Assim como na corrida, foi muito mais fácil.
Lelo sente o meu estado de ânimo. E o dele também melhorou.
Voltou a fazer ronrom e a querer ficar no colo, ficar por perto, dormir junto. Está conversando. E se movendo com mais agilidade e altivez também.

Motivação.
Boa vontade.
Dinamismo.