quinta-feira, 24 de março de 2016

Ho'oponopono


A primeira vez que vi essas frases foi num post de Instagram dedicado a mim pela mulher que me despertou um amor transformador.
Ontem minha irmã de alma Luciana me recomendou praticar o Ho'oponopono. Quando ela falou essas frases, veio o estalo: é a tatuagem que vou fazer.
E fiz. Hoje mesmo.
Celebração do momento que vivi.
Laura, minha irmã, disse que me constelei sozinha. E foi exatamente isso.
Minha psicóloga disse que saí do cercadinho. E foi exatamente isso.
Minha irmã de alma Flavia disse que fiz um renascimento sozinha. E foi exatamente isso.
Ontem chorei a ausência de minha mãe. Chorei como o bebê que era deixado no carrinho, no berço e no cercadinho e queria que a mãe viesse buscar, pegar no colo, cuidar. Mas também chorei a morte dessa mãe, chorei tudo que não chorei enquanto ela morria de 2008 a 2015 e eu assistia e cuidava. Me esvaziei de uma dor gigantesca.
E preenchi um vazio emocional que havia em mim com perdão, gratidão e amor. Por mim, por minha mãe e por meu pai. Foi um ho'oponopono espontâneo. Que agora sigo praticando deliberadamente.
Foi uma constelação. Estou curando meu sistema familiar.
Renasci mais inteira. Reconhecendo e agradecendo o que meus pais fizeram por mim.