sexta-feira, 28 de abril de 2017

Para contrabalançar

Meditação.
Todos os dias.
Desde um comentário casual da Flavia: "Você está meditando? Porque, quando medita, você fica melhor". Eu não estava. E estava precisando. Muito.
Voltei à prática com meditações guiadas. Relaxamento. Afirmações. Porque meditar em silêncio agora seria difícil. Minha mente está aceleradíssima. Zero disciplina. Zero foco. Para meditar. No trabalho está cada vez mais ajustada e concentrada.
Gostando de usar essas ferramentas de meditação. Experimentando.
Mas me causou grande estranhamento ouvir menções a deus em alguns áudios. A ideia de deus criador tornou-se totalmente inaceitável para mim. Melhor dizendo, incompreensível. Simplesmente não faz mais parte da minha concepção de realidade.
Minha espiritualidade é cada vez mais impessoal, mais mental, mais sei lá o quê. Vejo as divindades e o divino como manifestações mentais sutis. Sem condições de aprofundar essas percepções. Muito incipientes. Só sinto que, quando rezo ou quando volto a mente para algum pensamento, não estou me dirigindo para algo "fora" de mim. Uma com o universo, acessando energias aqui e ali. Ou melhor, modulando minha energia assim e assado.

Para o corpo, exercícios. Treinamento organizado. Na quarta-feira, fui pra pista sozinha, à noite. Frio pra cacete. E eu lá. E feliz por estar lá.
Ontem não rolou treino, saí da editora às 22h30.
Hoje saí no horário normal, mas estava muito zonza. Na volta, catei pinhas pra acender a lareira. Inventei de buscar a forma pra máquina de pão. (Finalmente!!!) Que indiada. Pelo menos, agora equipada pra fazer um bolo de chocolate pra levar pra editora na semana que vem, pra festejarmos o fechamento do Napoleon Hill. Porque hoje não senti alegria, nem alívio. Senti foi o rebote do esforço pra finalizar o livro.
Uma tarde espetacular. Perfeita. E eu com dor de cabeça. Azedume, irritabilidade.
Provavelmente teria melhorado se tivesse ido trotar. Mas senti mais necessidade de dar uma parada e meditar.
Assim como o treinamento físico, o treinamento mental está reconquistando espaço. Um e outro tornam-se de novo cada vez mais prazerosos e prioritários.