domingo, 30 de novembro de 2008

Perfect Run

Perfect Run é o nome da assessoria de corrida de mi amor de treinador, Eduardo Schütz. Perfect Run foi o nosso programa de hoje: uma corrida-passeio/festivo reunindo a maioria do grupo.
Eu nunca fui muito chegada em esquemas réstia-de-cebola, de sair em penca pra qualquer coisa. E estou acostumada a correr sempre sozinha, fazendo meu treino, no meu ritmo, sem ter que acertar passo com ninguém. Mas, desde que Edu falou que teria essa corrida de confratermização, simpatizei com a idéia. E nos últimos dias estava aguardando ansiosamente o evento. Minha irmã veio passar o fíndi aqui, e tratei de convocá-la pra função.
Minhas expectativas (ops!, lá se foi pro brejo a prática budista - mas posso dizer que, em vez de expectativas, eram desejos auspiciosos, hehehe...) foram plenamente preenchidas.
Adorei trotar em alegre bando, de uniforme, com amigos, conhecidos e desconhecidos, foi muito confortável e natural me integrar na massa cor-de-laranja que saiu do Parcão, pegou a Goethe, Vasco, Sarmento Leite e seguiu até o Gasômetro, percorreu 1km pela orla do lago e voltou, fazendo uma parada rápida na Redenção pra beber água, e retornou ao Parcão, onde nossa barraca estava abastecida com frutas e gatorade.
Somos um grupo das mais variadas velocidades. Para nos mantermos unidos, fomos num passo bem leve. Pude conversar (sem parar, hehehe) com várias pessoas e desencanar do ritmo. Esqueci do relógio. Não foi treino, foi passeio. Foi um programa divertido entre amigos. Foi muito diferente do que faço todos os dias. Eu sigo uma planilha, então todo dia tenho alguma meta a atingir; por mais que eu goste de correr e treinar, e que isso pra mim seja passatempo e diversão, tem uma certa obrigação na minha rotina. Hoje a meta era simplesmente curtir. No início estranhei, mas depois fui relaxando.
O que mais gostei foi de me sentir identificada com o grupo e integrada a ele. Sempre fui um tipo periférico - Lena diz que eu sou de todo mundo e não sou de ninguém -, mas desde o ano passado comecei a me tornar mais gregária. É um fenômeno ligado à corrida, onde formei um grupo de amigos, um "nós", que se encontra na pista, nas provas e aqui em casa.
Treinando com Edu, a idéia do "nós" foi se firmando, porque ele sempre fala "nós". Quando chego na pista, ele diz: "Hoje nós vamos fazer isso e aquilo". E ele sempre se refere à Perfect Run como "nós".
Eu achava isso muito engraçado, mas agora entendi, porque não me vejo mais como "eu" junto com um grupo, vejo "o nosso grupo". E já estou começando a falar "nós" como mi amor de treinador. :)