quinta-feira, 23 de março de 2017

Readaptação

Bastante dolorida em virtude da retomada.
Ontem operei a proeza de me estatelar no Parcão, na rodagem de 40 minutos depois da musculação. Felizmente caí no calçamento e não na terra. Pequenas esfoladuras. Levantei e segui até concluir (como sempre). Com cinco retinhas de 100m.
Cogitei não ir. Estava cansada e já dolorida. Aí pensei: "Bom, pelo menos a musculação". Terminei louca pra vir pra casa, mas a disciplina enfim manifestou-se. Fiz a rodagem e as retinhas. Não fiquei mais cansada, nem mais dolorida do que estava antes. Fiquei foi muito mais feliz, orgulhosa e satisfeita. Treino dado é treino cumprido.
Uma vez rainha, sempre majestade. Meu corpo está horrivelmente fora de forma, mas continua eficiente. A limitação é mental. A resistência é mental. Ontem dei um passo importante pra sair da zona de desconforto onde comecei a estagnar lá em 2013. (Assunto já levado pra terapia.)
Treino dado é treino cumprido. E que treino! Treino personalizado. Individualizado. Por enquanto é sem planilha. Nada de ser encaixada em uma planilha pronta. Glenio está dando uma observada pra depois montar o combo de corrida e musculação. A ideia é fazer uma base de três meses. E aí ver o rumo. Maratona no segundo semestre? Quem sabe? Sem pressa. Sem planos.
Hoje fomos pra pista da Redenção. Três séries de exercícios de técnica e reforço alternadas com fartlek na pista e soltada na grama.
Leve.
Divertido.
Empolgante.
Como deveria ser sempre.