terça-feira, 13 de junho de 2017

Na transição

Segue a saga culinária.
Ontem fiz leite de arroz. Segui uma receita. Cozinhar 2 xícaras de arroz. Beleza.
Nunca vi um arroz integral crescer tanto!
Leite de arroz aos montes. Nem posso congelar porque não tem espaço no freezer.
Leite de arroz é maneiro. Curti muito mais que o de gergelim, que realmente não pretendo repetir.
Minha filha me passou mais uma reprimenda. "Eu te falei que era pra usar 1 xícara de arroz cozido!!" Claro que eu não lembrava, cabeça lotada de informações culinárias e receitas. Enfim, agora é beber bastante leite de arroz, supersaudável. Estou tomando misturado com o creme de ameixas secas. E fico pensando no que será que colocam naqueles leites de arroz norte-americanos, que são simplesmente deliciosos. O meu é bem singelo, gostinho suave de arroz. Vou experimentar com café e com achocolatado. E preciso de essência de baunilha, que é o ingrediente mágico dos leites vegetais pelo que Lízia falou e li.
Bem, esses míseros três dias de dieta caprichada me mostraram o quanto eu estava relaxada, o quanto meu organismo estava acostumado com lixo. Estou estranhando não comer laticínios, nem refinados. Fica uma sensação de falta. Não de fome. Claro. O que estou comendo agora não embucha.
O almoço de hoje foi a sobra do arroz que não transformei em leite (empadadíssimo e sem sal, mas gostei - sério), couve refogada com muito óleo e uma cebola. E três ovos fritos na caçarola da couve, sem óleo. (Uma ideia genial, aliás, porque a caçarola de aço agora está com o fundo que é puro ovo grudado. Haja sapólio e esfregão.) Resolvi fazer os ovos porque Lízia falou que só gosta de couve com ovo, por isso não tem comido couve. Eu tinha 10 ovos na geladeira, claro que vou consumir.
A culinária, como a corrida, voltou a ser empolgante e divertida. :) :) 

Leite de arroz em quantidade Lúcia Brito

Sobrou porque nem teria onde guardar mais leite

Pratinho meigo. Muito simples e muito delicioso