segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Chega por hoje

A onda de danos ainda reverbera. Mas sigo inabalável no otimismo.
Hoje foi dia de encontro na Ufrgs, tudo de bom. Me aprofundando na análise do discurso, mas ainda sem saber qual será o tema da minha dissertação. São tantas possibilidades. Budismo, tradução, feminismo, entrelaçar os três talvez.
Antes do trabalho, conheci o restaurante oriental vegetariano perto da editora e amei. Os donos são de Taipei, Taiwan. E conhecem os donos do restaurante que eu frequentava na Felipe Camarão, exatamente nos mesmos moldes.
Passadinha no Iguatemi a caminho de casa. A loja da Pandora é pra enlouquecer a Oxum aqui. Mas pra mim, só camisetes básicas da Zara. Pro verão que tá chegando.
E, em casa, denúncia contra a NET na Anatel e no Reclame Aqui. Minha queixa na polícia foi aceita, e agora é uma ocorrência de furto formal. Tô muito puta com esse episódio.
Molho de tomate espetacular foi concluído com sucesso. O creme de moranga ainda tem que ser feito. E as lasanhas de abobrinha também. Já vou montar duas pra convidar as amigas que amam. :)
Tô pensando que zica é essa que me pegou. De onde vem essa porra? Primeiro achei que fosse minha, mas não. Quer dizer, é minha porque está comigo, mas não é criação minha. Impressionante o quanto a felicidade pode perturbar. Felicidade singela. Por simplesmente estar cuidando da vida.

E ontem foi dia de samba para Lux & Star.
Instituto Brasilidades no Vila Flores.
Só fomos embora porque estávamos mortas de fome.
Lamentável eu não saber sambar. Nem ter molejo para nada.
Pelo menos jogo de cintura agora tenho em abundância.