terça-feira, 22 de novembro de 2016

Felicidade profissional


Saindo logo mais pra pré-estreia do documentário Arminda Lopes - A estética além da dor, produzido pela Stricher Filmes. Hoje nem sei se conseguirei assistir, acho que não. Vou pra trabalhar. Já estive pela manhã no shopping, pra receber fornecedores e ajudar na montagem do espaço para o coquetel após a sessão. À noite, vou ficar operando como "HD externo", que é o meu "cargo".
Amanhã faz dois meses que conheci a diretora Luzimar Stricher. E começamos uma amizade e um relacionamento profissional marcado pela sintonia, respeito e admiração mútua. Estou imensamente feliz por ter participado da etapa de pré-lançamento de Arminda Lopes - A estética além da dor, um trabalho lindo e sensível.
A atividade na Editora Citadel me reinseriu num ambiente formal de trabalho, minhas tardes lá são simplesmente adoráveis. Eu adoro editar, preparar texto, traduzir, pensar o livro. Adoro. E, como estava conversando ontem com minhas colegas, que bênção trabalhar num local iluminado por luz natural, com um janelão com vista para o céu e para árvores enormes e lindas, onde o ar condicionado só é ligado em temperaturas mais extremas.
A atividade free-lance na Stricher Filmes está me reinserindo no ambiente cultural e jornalístico.
E trabalhar com Luzimar é um tônico pra autoconfiança e pra autoestima. É inestimável ouvir elogios e agradecimentos, ser reconhecida e apresentada pra todo mundo como o "HD externo". Que tranquilidade trabalhar com uma pessoa segura de si, que não teme o talento dos outros, que tem brilho próprio e trata de se cercar de gente luminosa. Que ouve, que é receptiva.
Minhas duas novas atividades profissionais trouxeram consigo pessoas muito, muito bacanas. Saí do isolamento da tradução. Abertura em todos os sentidos.