sábado, 19 de novembro de 2016

Sai de mim



Minha caveirinha, sabonete perfumado, está aqui, do lado do notebook. Fechando comigo contra a urucubaca. Presente mimoso da Jackie Selbach, após Dharana ter contado dos perrengues aqui em casa. Encomendei um spray de arruda, limpei tudo e ainda por cima ficou um aroma delicioso.
A arruda limpou até minha mente de uma energia embaciante.
Trabalhando em dois livros de Napoleon Hill com uma nova perspectiva.
Sai de mim a urucubaca. Sai de mim a estagnação. Sai de mim a resistência.
Saem de mim, para tomar forma no mundo "real", novas maneiras de ver, pensar e agir.