sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Pequenas grandes coisas

A quinta-feira foi tumultuada.
De manhã, coisas do condomínio, atividade de síndica a pleno. Incomodações que enfim resolvi com sucesso. Neste momento, acabo de concluir o episódio, aliás.
Ao chegar em casa à noitinha, a descoberta inacreditável de que meu roteador foi levado junto com o equipamento da NET.
Enquanto tentava me acalmar do acesso de fúria com a cretinice da NET, cozinhando couve-flor e batata para a minha próxima sopa, meu tio telefona convidando pra jantar. Fomos. Eu fui bastante apreensiva por uma série de motivos. Felizmente tudo transcorreu em clima ameno, com a camaradagem que nos une. Cervejas e galeto. Eu estava desde domingo com vontade de comer galeto. Comi. E comi. E comi.
Voltei pra casa abarrotada. Sentei no sofá, sem coragem de subir a escada e me ajeitar da dormir. E aí vem ele, Lelonid, fazer carinhos.
Fecho de ouro.
Cuidando de mim. Cuidando dos outros. Cuidando das coisas.
Tratando de tudo com rapidez, mas sem pressa.
Uma nova qualidade de vida a partir de um novo olhar e de uma nova forma de agir.