quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Sozinha. E bem sozinha

Bem sozinha.
No sentido de estar me sentindo ótima sozinha.
No sentido de estar totalmente sozinha.
No sentido de estar a sós comigo mesma.

Agora, 3h de quinta-feira, estou sozinha na editora.
Vou virar mais de 24h aqui dentro, direto.
Sem sair da minha mesa. Fechando um livro gigantesco, um trabalho insano.
Cheguei às 9h de quarta, devo ir embora depois das 10h de hoje, quando o arquivo estiver fechado e a caminho da gráfica.
Minha estreia aqui me fez lembrar dos fechamentos dos livros do Eduardo, em geral alucinantes.

A vida civil será retomada por volta do meio-dia.
De passar roupa a supermercado, de veterinário à oficina, tem de tudo à espera.