sábado, 25 de fevereiro de 2017

Sempre tem


Nesse glorioso verão acumulei uma lista de feitos inéditos.
- Viajar pra praia sozinha, indo e vindo. Amando cada segundo passado em minha companhia. Na estrada e no apartamento que era da minha mãe.
- Primeira vez em que as lembranças da mãe aqui não doeram, só me trouxeram alegria e a sensação de autocontentamento por ter conseguido manejar tão bem a derrocada dela.
- Pegar a Freeway sozinha tarde da noite. Sem medo, curtindo a estrada quase vazia.
- Tomar a iniciativa de dar o primeiro beijo em crushes.
- Me relacionar com pessoas 20 e até 30 anos mais jovens que eu. Não era de forma alguma o que eu tinha em mente. Mas agora parece muito natural dada a minha natureza.
- No primeiro semestre do ano passado também foi a primeira vez de tomar a iniciativa para sexo sem compromisso. Pela simples curtição. E que curtição.
- Primeira tatuagem colorida. Estreia singela, o símbolo do Prince em roxo, também na primeira parte de 2016. E no segundo semestre as rosas. E dali em diante uma explosão de flores e cores.
- Ficar 32 horas trabalhando direto, sem dormir, sem sair de dentro da editora. Já tinha virado muitas noites em redação. Mas nunca tinha tocado direto por um período tão longo.
Que venham mais feitos inéditos.