quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Os olhos delas

Lençol térmico ligado. Brincando com Lelonid. Sonolência.
Depois de uma longa conversa sobre as percepções do dia, o desejo de pacificar as relações. Ser eu no meu melhor. Ser amável. Afetuosa.
Vou dormir com o conhecimento de que as duas pessoas mais próximas têm a mesma visão de mim. Ouvi há pouco o que ouvi recentemente: difícil apontar meus defeitos. Não que não existam e não sejam muitos. Elas não veem apenas porque olham para o meu melhor. Maravilhoso me ver pelos olhos delas.
22:22. Meu horário favorito. Minha filha e o pai dela brincam que é o horário da mamãe.
Eu sei. Eu sinto. Eu sonho. Eu sou.