domingo, 18 de dezembro de 2016

Comércio local

Depois de virar erva-mate e água quente por tudo ao longo de anos - a começar por cima de mim mesma -, aderi. Comprei uma mateira ontem, na feirinha de artesanato da Redenção. Preparada pra praia e pras idas ao parque. E até pra ir pra editora.
Sempre achei essas mateiras o fim. Mas muito pior carregar os apetrechos soltos. Chega de lambança.


Fazia décadas que eu não ia na feirinha. Fui nos dois últimos sábados pra pegar as camisetas gremistas que encomendei com o Pancho Rivas, pra dar de presente e pra mim. E vi várias coisas bacanas. Comprei um vestido, uma bolsa, um porta-óculos, uma necessaire e a mateira. Tudo com preços ótimos. E dos próprios produtores. Incentivar as microempresas locais. Tô nessa.