quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Empoderamento na prática 4

Só uma coisa me perturba de momento. O trabalho que não consigo terminar, do qual fujo há meses. Trabalho contratado em fevereiro! Numa tarde ensolarada de fevereiro, quando eu estava chegando aqui na praia. O pior contrato de trabalho que já firmei na vida - por pura incompetência minha. Se tivesse olhado e avaliado direito, teria visto que não era revisão (tampouco preço de revisão). Teria visto que era uma retradução. De um texto gigantesco, denso, complexo. Trabalho difícil pacas, em resumo.
Fujo desse trabalho inclusive enquanto escrevo aqui. Repulsa. Ansiedade. Procrastinação. Comecei a roer os dedos ontem, quando voltei a enfrentar esse meu carma.
Mas...
O Universo está conspirando. Me encaminhando para a conclusão dessa etapa por todos os meios disponíveis. Inclusive pelo trabalho em si. Que, nesse final de mês e de ano, aqui na praia, adquire um novo significado. Empoderamento pessoal e profissional de Lúcia Brito.


Em todas as suas obras, Napoleon Hill fala exaustivamente do poder da mente, da autossugestão e da união de mentes no que ele chama de Master Mind. No início do século passado, ele já estava ligado no óbvio: a realidade de cada indivíduo é criada na própria mente. Sucesso e fracasso, riqueza e pobreza, felicidade e infelicidade dependem basicamente da mentalidade individual - e das interações com outras mentes.
Hill alerta constantemente para o poder aniquilador da procrastinação. No capítulo que acabo de concluir, ele exorta a combater a procrastinação cultivando o hábito de começar todo dia executando a tarefa mais difícil. E propõe:

Repita as seguintes palavras, em voz alta, 12 vezes toda noite antes de dormir: "Amanhã farei tudo o que deve ser feito, quando deve ser feito e como deve ser feito. Executarei as tarefas mais difíceis primeiro, porque isso destruirá o hábito da procrastinação e desenvolverá o hábito da ação”.

O texto original, das décadas de 1920-1930, exige grande atenção porque o estilo é diferente da escrita atual. Hill é repetitivo - o estilo dele é assim, sem dúvida intencionalmente, para que o conteúdo seja assimilado e compreendido por repetição.
A tradução é horrorosa, relaxada, com erros grosseiros, como trocar "hypothesis" por "hypnosis" e "word" por "world". Isso só pra citar dois erros graves separados por menos de dez páginas. Uma vergonha. Um absurdo.
O livro chegará à editora "revisado" por mim em duas leituras. Lá farei a terceira revisão, que nesse caso será de novo muito lenta e minuciosa, pois precisarei cotejar mais uma vez com o original e ajustar a tradução para manter os tempos verbais originais. No que depender de mim, será uma bela edição brasileira deste clássico da literatura de autoajuda financeira.
Aos trancos e barrancos, na marra, estou aprendendo muito com Napoleon Hill. E exercitando os 16 princípios para o sucesso:

Master Mind
Objetivo principal definido
Autoconfiança
O hábito de economizar
Iniciativa e liderança
Imaginação
Entusiasmo
Autocontrole
O hábito de fazer mais do que se é pago para fazer
Personalidade agradável
Pensamento preciso
Concentração
Cooperação
Fracasso
Tolerância
A Regra de Ouro

No presente trabalho, os pontos mais exercitados são:
- objetivo principal definido (terminar essa etapa da preparação do texto até domingo)
- autoconfiança (meu trabalho está ficando realmente muito bom)
- entusiasmo (do zero para o máximo)
- autocontrole (da fuga para o foco)
- o hábito de fazer (MUITO, MAS MUUUUUITO) mais do que se é pago para fazer
- pensamento preciso (recrutando todos os neurônios pra empreitada)
- concentração (da dispersão absoluta para o desenvolvimento do foco)
- fracasso (bah, aprendi uma lição e tanto com esse meu fracasso de avaliação e desempenho iniciais)
- tolerância (com o original, com a tradução e comigo mesma nesse longo processo de evolução - minha e do trabalho)