quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Yèyé

O dia dela. Senhora minha mãe. Salve!
Que mitologia. Que riqueza espiritual.
No dia dela, encontro um site fabuloso com os erís:
http://batuquedosorixas.blogspot.com.br/
Feliz por ver essa cultura antiga como a civilização sendo registrada e preservada. Sempre tive vontade de estudar e escrever sobre a religião africana no Rio Grande do Sul, que se desenvolveu de modo diferente do candomblé baiano. E que lá, aqui e por toda parte sempre foi alvo de intolerância e racismo.



T - Tàlà dê omi ou tàlà yèyé màràjó (Chega do limite das águas, você chega do nascimento das águas, mãe viajante)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Omi tàlà dê omi tàlà dê rì lànà (Água que chega do nascimento, a água do nascimento chega, alaga e abre o caminho [ao que vai nascer])
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Òsum tàlà dê omi ou tàlà meu yèyé ou! (Oxum chega de onde nascem as águas, você chega do nascimento das águas, oh! Minha mãe)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Ìyá’ dò jí yèyé meu bàbà dê ou ru kí lànà (Mãe do rio acordada, minha mãe do ouro, chega  oferecendo saudações e abrindo os caminhos)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
R - Òsum àlà ré wá (Em visões durante o sonho virá Oxum)
T - Yé bámi Òsum bi olomi, yé bámi Òsum bi olomi, yèyé pòndá e’ lú nfá ga rè lá yé bámi Òsun bi olomi (Por favor, me encontre Oxum proprietária das águas, mãe que está criando em abundância, senhora que está limpando o povo, tirando com orgulho o cansaço e o sonho, por favor me encontre Oxum)
R - Yé bámi Òsum bi olomi, yé bámi Òsum bi olomi, yèyé pòndá e’ lú nfá ga rè lá yé bámi Òsun bi olomi (Por favor, me encontre Oxum proprietária das águas, mãe que está criando em abundância, senhora que está limpando o povo, tirando com orgulho o cansaço e o sonho, por favor me encontre Oxum)
T - Ou yèyé Òsun p rere mã (Mãe Oxum chama as coisas boas sempre)
R - Ou yèyé Òsun p rere mã (Mãe Oxum chama as coisas boas sempre)
T - Ou yèyé ou eléwà ti Òsun eléwà ti Òsun’ Pòndá (Oh! Mãe você é mulher formosa do rio Oxum, mulher formosa de Oxum que cria em abundância)
R - Ou yèyé ou eléwà ti Òsun eléwà ti Òsun’ Pòndá (Oh! Mãe você é mulher formosa do rio Oxum, mulher formosa de Oxum que cria em abundância)
T - Omo d’Òsun ou! (Oh! Filha que recebe a Oxum)
R - Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
T - Aláse kún ou! (Oh! Nos encha de riquezas)
R - Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
T - Ogun p ní’ léwà (À batalha chama, tem beleza)
R - Omi ní wá rá wàrawàra omi ní wá rá (A água tem que procurar fazer curvas precipitadamente)
T - Òsun ìpòndá pàra wè’ lé wò (Oxum que ruidosamente está criando abundância, nos visita banhando a casa)
R - Òsun ìpòndá pàra wè’ lé wò (Oxum que ruidosamente está criando abundância, nos visita banhando a casa)
T - Olomi l’Òsun (Proprietária das águas do rio Oxum)
R - Ato’níre olomi l’Òsum ato’níre (Sacerdotisa do culto ancestral, proprietária de bênçãos, proprietária das águas do rio Oxum)
T - A mã’ dúpè’ lè oogun fà’ yin (Continuamente agradecemos a terra e sua medicina)
R - Òsun p rere, Òsun p rere (Oxum chama as coisas boas, chama as coisas boas)
T - Aiyo yé eu! (Não aparece, por favor aparece!)
R - Welewele wè’lé Òsun wolé wè (Rapidamente limpe a casa Oxum, entre na casa e limpe-a)
T - Éèdì bá mbo’ lé yò nú meu p ou! (Surpreenda o feitiço vindo para casa com alegria, oh! Me limpe disso!)
R - Éèdì bá mbo’ lé yò nú p wa ou! (Surpreenda o feitiço vindo para casa com alegria, oh! Nos limpe disso)
T - Àgbere àgbè ké abe lè Òsun (O adultério em casa pode cortar com a navalha Oxum)
R - Àgbere àgbè ké abe lè Òsun (O adultério em casa pode cortar com a navalha Oxum)
T - Ou yèyé ou ké meu ní ná ou yé rò, ké meu ní ná yé rò (Oh! Mãe fale primeiro, você entende meus pensamentos)
R - Ou yèyé ou ké meu ní ná ou yé rò, ké meu ní ná yé rò (Oh! Mãe fale primeiro, você entende meus pensamentos)
T - Òsun meu p ou! (Oh! Oxum me chama!)
R - Oujá d’oko erúnmalè ou! (Oiá chega ao campo, espírito de luz!)
T - Omo kári rè wò (Aumenta a vigilância ao redor do filho)
R - Kári rè kári rè mã kári rè mã (Aumenta ao redor e te reflita sempre)
T - Asíri mímó’dù dê (Chega o mistério sagrado da cabaça)
R - E wá siré Oya (Senhora venha divertir-se com Oiá)
T - Elegbé ti òsán (Companheira de jornada)
R - Yèyé m’orò (Mãe que entende as almas)
T - Asso t’omi yèyé meu pòn awò (Vestida de água minha mãe desenha as cores)
R - Èrùn elè wá a jó Òsun èrùn l (Se a seca vier com força nós dançamos para Oxum)
T - Yèyé k’omo k’omo siré lò (Mãe recolha o filho, recolha o filho, divirta-se e use-o)
R - Bàbà yín orò òrìsà ou yèyé ou bàbà yín ourò (O ouro é sua riqueza Orixá, oh mãe, o ouro é sua riqueza)
T - Póndá o sim meu (Criadora de riquezas se manifeste em mim)
R - Omi ní lábà bájà yí (Água se manifeste, luta e transforme)
T - Póndá o sim meu bè hù (Criadora de riqueza se manifeste em mim, rogo que germine)
R - Omi ní nà là sànbo omi ní nà (Água se manifeste, aparece, inunda, água se manifeste)
T - Kéké Òsun omi só rorò (Rapidamente Oxum, água que protege com ferocidade)
R - Kèké kéké Òsun omi só rorò kéké (Inunda rapidamente Oxum, água que protege com ferocidade, rapidamente)
T - Òsum má g tì omi má ní’ lú (Oxum não corte o impulso da água, mas não alague o povo)
R - Tàlà dê yèyé e lù Òsum má g tì (Mãe chega do começo das águas, golpeia Oxum, mas não corte o impulso)
T - Epere ké hùmò hùmò epere sé’ rúnmalè ou (Melhor cortar as idéias, os pensamentos, é melhor agir espírito de luz)
R - Epere ké hùmò hùmò epere sé’ rúnmalè ou (Melhor cortar as idéias, os pensamentos, é melhor agir espírito de luz)
T - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao céu)
R - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao céu)
T - Ipè rè mã l’òrun, a dê lúwe yèyé ou! (Nos somamos ao chamado sempre usando o céu, chegamos nadando, oh mãe!)
R - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao céu)
T - Òsmeu là ou yèyé Òsum là ma’dù kèké Òsum là ma’ dù kèké ou Òsun là meu ou yèyé (Oxum me abra à maternidade, Oxum sempre abra o útero o ovulando, Oxum me abra à maternidade)
R - Òsmeu là ou yèyé Òsum là ma’dù kèké Òsum là ma’ dù kèké ou Òsun là meu ou yèyé (Oxum me abra à maternidade, Oxum sempre abra o útero o ovulando, Oxum me abra à maternidade)
T - Èdé mú ká, èdé mú ká (Socorre os que estão ao seu lado, socorre os que estão ao seu lado)
R - Èdé mú ká yè ayé (Socorre os que estão ao seu lado driblando a terra)
T - Èlò ire olodò ga njó ire ká wè’ lé (Instrumento de boa sorte, proprietária do rio, está dançando orgulhosa, benze e banha a casa)
R - Èlò ire olodò ga njó ire ká wè’ lé (Instrumento de boa sorte, proprietária do rio, está dançando orgulhosa, benze e banha a casa)
T - Pòndá meu rere pòndá minha ‘ré bàbà yí s’orò (A abundância está me trazendo coisas boas, a abundância está me trazendo boa sorte, o ouro transforma e faz a riqueza)
R - Pòndá meu rere pòndá minha ‘ré bàbà yí s’orò (A abundância está me trazendo coisas boas, a abundância está me trazendo boa sorte, o ouro transforma e faz a riqueza)
T - Ìyá mã b’okun p rere ìyá mã b’okun p rere (Mãe que sempre chama as coisas boas como o mar)
R - Estragojó ayé ìyá mã b’okun p rere (Mãe dançando no mundo como o mar sempre chama as coisas boas)
T - Pòndá ire mo dìde pòndá ire mo júbà pòndá ire mo dìde òrìsà d’oko (Está trazendo abundância de bênçãos e está me erguendo, abundância de bênçãos está trazendo, eu lhe reverencio, abundância de bênçãos está trazendo e está me erguendo Orixá que vem do campo)
R - Pòndá ire mo dìde pòndá ire mo júbà pòndá ire mo dìde òrìsà d’oko (Está trazendo abundância de bênçãos e está me erguendo, abundância de bênçãos está trazendo, eu lhe reverencio, abundância de bênçãos está trazendo e está me erguendo Orixá que vem do campo)
T - Èlò ire mo júbà (Instrumento de bênção, eu lhe reverencio)
R - Òrìsà d’oko (Orixá que vem do campo)
T - Ire adé owó ire adé wá omi nem nà bá, adé owó ire adé wá (A bênção coroa de ouro, nos benza coroa, venha água, ocupa, te manifesta, usa a coroa de ouro bendita, coroa venha)
R - Ire adé owó ire adé wá omi nem nà bá, adé owó ire adé wá (A bênção coroa de ouro, nos benza coroa, venha água, ocupa, te manifesta, usa a coroa de ouro bendita, coroa venha)
T - Meu àké sei’ lédè wó wó ou yèyé afi òrò afá ki lò fá mã ki b’ohun (Minha espada pode cortar e derrubar a fim de que você, mãe da riqueza, visite a ponte e limpe sempre, visitando e cobrindo as coisas)
R - Meu àké sei’ lédè wó wó ou yèyé afi òrò afá ki lò fá mã ki b’ohun (Minha espada pode cortar e derrubar a fim de que você, mãe da riqueza, visite a ponte e limpe sempre, visitando e cobrindo as coisas)
T - Adé wòran adé wòran adé wòran yè ou sei’ lé bàbà ikò fi odara a bá ikò yèyé (Nós vemos a coroa, vemos a coroa, o mensageiro nos traz o bem, nós encontramos o mensageiro da mãe)
R - Adé wòran adé wòran adé wòran yè ou sei’ lé bàbà ikò fi odara a bá ikò yèyé (Nós vemos a coroa, vemos a coroa, o mensageiro nos traz o bem, nós encontramos o mensageiro da mãe)
T - A bá ikò a bá ikò yèyé ao ba láàrin t’ounà bò ao ba ikò yèyé (Encontramos o mensageiro da mãe, encontramo-lo no meio do caminho de volta, nós reverenciamos o mensageiro da mãe)
R - A bá ikò a bá ikò yèyé ao ba láàrin t’ounà bò ao ba ikò yèyé (Encontramos o mensageiro da mãe, encontramo-lo no meio do caminho de volta, nós reverenciamos o mensageiro da mãe)
T - A bá láàrin t’ounà bò (Encontramos no meio do caminho de volta)
R - Ao ba ikò yèyé (Reverenciamos o mensageiro da mãe)
T - A mò rorò okun orò éèdì Òssun l’oba (Reconhecemos a ferocidade, o poder do espírito, o encantamento da Oxum no rei)
R - A mò rorò okun orò éèdì Òsun l’oba (Reconhecemos a ferocidade, o poder do espírito, o encantamento da Oxum no rei)
T - Meu Bàbà s’orò (Meu ouro faz a riqueza)
R - A wò’rò a wò’rò (Vestimo-nos com riqueza)
T- Bá rà bá ru ekùn faiya bá rà bá ru èlè ou (Venha e ofereça, venha e ofereça encantos ao leão, venha e ofereça, venha e ofereça a espada)
R - Bá rà bá ru ekùn faiya bá rà bá ru èlè ou (Venha e ofereça, venha e ofereça encantos ao leão, venha e ofereça, venha e ofereça a espada)
T - Bá rà ohun bá rá ode emim r’emim d’oko (Venha e ofereça algo, encontra em segredo o caçador que vive em mim e vem do campo)
R - Bá rà ohun bá rá ode emim r’emim d’oko (Venha e oferece algo, encontra em segredo o caçador que vive em mim e vem do campo)
T - E ire e ire pòndá ou! (Oh! Você benze em abundância criando)
R - Yé! èlò má ilo (Por favor! Instrumento de benção não vá)
T - Èlò iru (Instrumento de rabo de cavalo)
R - G nge nge (Corta, está cortando [os males])
T - Omi d’oko ou’ yánlà mã ti kí bérè (Água do campo, grande mãe, sempre é saudada com respeito especial)
R - Omi d’oko ou’ yánlà mã ti kí bérè (Água do campo, grande mãe, sempre é saudada com respeito especial)
T - Ki bàbà mã ki tò loní (Saudamos o ouro, sempre lhe visitamos e lhe seguimos)
R - Ou yèyé ebora ebora (Você é mãe poderosa)
T - Èlò ìrò dê (Chega instrumento de solução)
R - A d’oko bàbà yí s’òrò èro (Nós chegamos ao campo em peregrinação, o ouro é resistente e faz a riqueza)
T - Ou Yemoja ou Yemoja mã bokun bàbà yí s’òrò (Iemanjá sempre nutre o oceano, o ouro é resistente e faz a riqueza)
R - Ou Yemoja ou Yemoja mã bokun bàbà yí s’òrò (Iemanjá sempre nutre o oceano, o ouro é resistente e faz a riqueza)
T - Dê mù (Chega e te inunde)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - Pòndá (Cria em abundância)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - D’oko (Chega à plantação)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - ‘Mo kéré omo délé (O filho pequeno vem à casa)
R - Ara’ mo kéré’ mo délé (Família, o filho pequeno vem à casa)
T - Yèyé kári ou, yèyé kári ou (Mãe que vemos nos arredores)
R - Altar dê Òsum kári ou kári ou (Família da Oxum vem nos arredores)
T - Yèyé’ bè sàn lè wò bomore yèyé’ bè sàn lè wò bomorre (Mãe roga a melhora da saúde, pode cuidar e nutrir o filho com bênção)
R - Òsun dê olónà yèyé bè sàn lè wò bomorre (Oxum venha proprietária do caminho, mãe que roga pela saúde do filho, nutre-o e benze-o)
T - Òsum dê mù ou (Oh! Oxum te manifesta)
R - E wá siré Oya (Vem te divertir com Oiá)
T - Òsum pòndá ki rawó (Oxum está criando riquezas e avisa esfregando as mãos)
R - E wá siré Oya (Vem te divertir com Oiá)
T - Orò kún má Ì o (Espírito venha e não vá ainda)
R - Wá asso Òsun ! (Procura sua roupa Oxum)
T - Orò kún má rì’lé (Espírito chega, mas não afogue a casa)
R - Wá asso Òsun ! (Procura sua roupa Oxum)
T - Òkêré rebo (Na distância oferece a oferenda)
R - Òkêré rebo! (Na distância oferece a oferenda)
T - Ou fé níse (Você quer e tem que fazer)
R - Ou fé níse ebo (Você quer e tem que fazer oferenda)
T - Yèyé bá ki ré ma yèyé d’oko lodò (Mãe usa, avisa e benze sempre, mãe que vem do campo chega ao rio)
R - Yèyé yèyé yèyé d’oko lodò (Mãe, mãe chega do campo ao rio)
T - Iyãfin ou dê s’àpáta afin á mã ode sim mã (Mãe do palácio, você chega e faz do pedestal uma colunavem de fora e fica o tempo todo)
R - Iyãfin ou dê s’àpáta afin á mã ode sim mã, iyãfin ou dê (Mãe do palácio, você chega e faz do pedestal uma colunavem de fora e fica o tempo todo mãe do palácio, chega)
T - Pòndá sun meu wá (A que está criando riquezas me abraça e se manifesta)
R - L’àlà rèé wá l’arùn wè (Cruzando as fronteiras, vem curando a enfermidade)
T - Jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê ou! (Guerreira vem lutar contra a enfermidade, oh! Chega)
R - Jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê ou! (Guerreira, vem lutar contra a enfermidade, oh! Chega)
T - D’àle d’àle tàp’ègún (Em tempo de doença, te revele contra as coisas ruins)
R - D’àle d’àle (Em tempo de doença)

De http://batuquedosorixas.blogspot.com.br/